Vale das Lendas

Loading...

segunda-feira, 18 de maio de 2015

O rosto de um hobbit do mundo real

A antropóloga Susan Hayes, da Universidade de Wollongong, em New South Wales, Austrália, fez uma “aproximação facial” (ela prefere esse termo a “reconstrução facial”) do Hobbit, apelido da espécie conhecida oficialmente como Homo floresiensis.
O indivíduo que serviu de modelo para a reconstrução facial é uma mulher de um metro de altura, com 30 a 35 kg e 30 anos de idade, cujos restos mortais foram descobertos na caverna de Liang Bua, na remota ilha indonésia de Flores em 2003.
“Ela não é o que você chamaria de bonita, mas é definitivamente diferente”, disse Hayes. Seu rosto não tem aparência feminina, os olhos são grandes e a testa pequena.
Com formação em ciência forense, Hayes foi capaz de chegar a essa representação facial graças a informações de análises de imagem 3D do crânio da espécie, feitas em um programa de computação gráfica. Ela também utilizou retratos feitos por paleoartistas do Hobbit. Essas interpretações antigas eram mais direcionadas para características próximas às do macaco, enquanto sua análise sugeriu que a espécie tinha características modernas.

Encontrando Hobbit

O esqueleto de 18.000 a 38.000 anos de idade recebeu o apelido de Hobbit por causa de sua estatura atarracada. O hominídeo teria um cérebro pequeno e dentes e pés relativamente grandes para a sua altura. A espécie provavelmente vivia em habitações confortáveis nas colinas da ilha de Flores.
Desde sua descoberta, os cientistas têm debatido se a amostra realmente representa ou não uma espécie extinta na árvore genealógica humana, talvez um “exemplar diminutivo” de Homo erectus, um hominídeo de 1,8 milhões de anos e o primeiro a ter proporções corporais comparáveis às dos modernos Homo sapiens.
Os críticos também argumentam que os restos poderiam ter pertencido a um ser humano com microcefalia, uma condição caracterizada por cabeça pequena, baixa estatura e retardo mental.
Um estudo de 2007, no entanto, revelou que o cérebro do Hobbit tinha cerca de um terço do tamanho do cérebro de um humano adulto moderno. As proporções das regiões cerebrais do exemplar são inconsistentes com as características de microcefalia.
“Na nossa visão, nós dispensamos a hipótese de microcefalia”, disse o antropólogo Dean Falk, da Universidade Estadual da Flórdia (EUA), em 2009. “Seus cérebros não são só pequenos, têm um formato diferente. É uma espécie diferente”.
Também em 2007, o trabalho de Matthew Tocheri, antropólogo do Museu Nacional de História Natural, em Washington (EUA), e seus colegas revelou que os ossos do pulso do Hobbit eram parecidos, na forma e orientação, com o de símios, que são muito diferentes dos ossos do pulso de Neandertais (Homo neanderthalensis) e humanos modernos, o que também aponta para uma nova espécie.[MSNCosmosGOS]
hypescience.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário